Com dívida e sem Libertadores, Timão tem desafio: encher a arena em 2017

Encher a Arena Corinthians em 2017 é fundamental por causa dois fatores para o clube: apoio da torcida em um momento de reconstrução do time e dinheiro para encher os cofres do fundo que administra o estádio e honrar o pagamento da dívida com a Caixa Econômica Federal.

Os números dos dois primeiros jogos em casa na temporada, porém, não são animadores. A derrota para o Santo André, no sábado passado, recebeu o segundo pior público da história do estádio: apenas 18.046 pagantes. Semanas antes, no amistoso contra a Ferroviária, a arena registrou sua pior renda bruta: R$ 365.603,00.

Com um primeiro semestre mais enxuto, sem a disputa da Taça Libertadores, o Timão tem menos jogos em casa. E menos chances de fazer dinheiro. Até a metade de abril, o clube tem apenas seis duelos garantidos: cinco pelo Campeonato Paulista, um pela Copa Sul-Americana. O mando da segunda fase da Copa do Brasil, em jogo único, será definido por sorteio.

A próxima oportunidade de receber um bom público é nesta quarta-feira, contra o Novorizontino, às 19h30 (horário de Brasília). Os ingressos continuam à venda.

Fora de campo, dívidas

Em janeiro, o clube fechou acordo com a Caixa para refinanciar a dívida do estádio. Serão parcelas de R$ 3 milhões ao mês, quase a metade do que se pagava antes (R$ 5,7 milhões). O prazo de pagamento passou de 12 para 20 anos. Isso não significa, porém, alívio no caixa. O clube deixou de honrar as parcelas em maio do ano passado.

Corinthians Cobresal Libertadores (Foto: Marcos Ribolli)Arena lotada em Corinthians x Cobresal, pela Libertadores; torneio alavancou renda em 2016.

Só em quatro jogos da Libertadores 2016, o Corinthians arrecadou mais de R$ 10 milhões brutos. Em todos, a arena recebeu mais de 40 mil pagantes, com valor médio dos ingressos na casa dos R$ 64. A perspectiva, mesmo com a Copa Sul-Americana em disputa, é de arrecadações bem menores na atual temporada.

Para 2017, o clube baixou os valores de face dos bilhetes em todos os setores e também vendeu pacotes com descontos especiais para vários jogos do Paulistão. Contra o Santo André, o valor médio foi de R$ 44. Nada que pudesse atrair tanto a torcida.