Dono de nada menos do que 17 títulos na NBA – maior campeão da história -, o Boston Celtics é atualmente a maior ameaça ao reinado de LeBron James e o Cleveland Cavaliers na Conferência Leste. E mesmo com o presente sendo bom, o futuro anima mais ainda a franquia, que pode voltar a ter o status de superpotência na liga e voltar a ganhar títulos.

No time atual, o baixinho Isaiah Thomas (médias de 29,6 pontos e 6,3 assistências) é um jogador com calibre de MVP. Jae Crowder e Marcus Smart são dois talentos que se destacam pela forte defesa, assim como Avery Bradley, que é o segundo cestinha na atual temporada (17,7 pontos). Fora o pivô Al Horford (14,6 pontos, 6,6 rebotes e 1,5 tocos), a principal contratação no mercado recente.

Junte a isso Brad Stevens, o mais promissor dos técnicos da NBA, e o Boston Celtics tem um futuro promissor pela frente.

Mais ainda se pensarmos que possivelmente a primeira escolha do Draft deste ano será do time.

Como?

Graças à troca com o Brooklyn Nets envolvendo a ida de Paul Pierce e Kevin Garnett para Nova York, em 2013, os Celtics têm a opção de trocar escolhas de Draft com os Nets neste ano. Brooklyn tem a pior campanha da NBA e consequentemente é favorito na loteria do Draft para ter o pick 1. E o jogador mais promissor das universidades norte-americanas iria para Boston.

Naquela negociação, os Nets deram tudo para garantir o presente do time em vão. E presentearam Boston tirando os dois ídolos já veteranos de lá, além de Jason Terry e DJ White, em troca de Keith Bogans, MarShon Brooks, Kris Humphries, Kris Joseph, Gerald Wallace e quatro futuras escolhas de primeira rodada.

A perspectiva dos Nets não é de melhorar a curto prazo. E a escolha de primeira rodada do time em 2018 também vai para os Celtics ainda como resquício da troca feita por Garnett e Pierce em 2013.

Ao fim da atual temporada, os Celtics terão só US$ 71 milhões garantidos em salários para 2017-18. Com o teto estimado em US$ 102 milhões para o próximo ano, ainda sobra dinheiro para Boston contratar um grande free agent, como Blake Griffin, Gordon Hayward, Serge Ibaka, entre outros.

Pode não ser em 2017, mas a expectativa é que os Celtics voltem a conquistar títulos em breve.