Como Tite fez Brasil voltar a ser gigante fora de casa

Três jogos fora de casa, três vitórias. O desempenho da seleção brasileira sob o comando de Tite não é ‘apenas’ algo para não se botar defeito como também pode alcançar uma marca expressiva nesta quinta-feira, quando a equipe enfrenta o Uruguai em Montevidéu.

Desde que as eliminatórias adotaram o atual formato em que todas os participantes se enfrentam, o máximo que a seleção conseguiu fora de casa em uma única das eliminatórias foram quatro vitórias. Sob o comando de Dunga, o time cinco vezes campeão mundial teve quatro triunfos, três empates e duas derrotas nos nove jogos longe de seus domínios.

Vale lembrar que o atual modelo das eliminatórias começou para a Copa de 1998, mas o Brasil não participou pois já estava garantido no torneio na condição de atual campeão mundial. Posteriormente, a seleção disputou as eliminatórias para 2002, 2006, 2010 e agora para 2018. Para 2014, ficou de fora por ser o país-sede da competição.

Depois que foi anunciado como técnico do Brasil, Tite estreou com uma vitória por 3 a 0 sobre o Equador, fora de casa. Desde então, houve apenas mais duas partidas fora do território nacional: dois triunfos por 2 a 0 diante de Venezuela e Peru. Assim, os três pontos em Montevidéu fariam Tite igualar a marca de Dunga, só que com menos jogos. Ao todo, o treinador comandou a equipe em sete oportunidades (seis pelas eliminatórias e um amistoso) e segue perfeito.

Além disso, vale destacar que os números apresentados estão longe de deixar a desejar quanto aos anotados quando a equipe verde e amarela atua em casa. (Veja abaixo).

O Brasil encara o Uruguai no estádio Centenário nesta quinta-feira, às 20h (de Brasília), com chance de garantir virtualmente a vaga para a Copa do Mundo. A seleção lidera as eliminatórias sul-americanas com 27 pontos.

FICHA TÉCNICA
URUGUAI X BRASIL

Local: Estádio Centenário, em Montevidéu (Uruguai)
Data: 23 de março de 2017, quinta-feira
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: Patricio Loustau (Argentina)
Assistentes: Diego Bonfa e Gustavo Rossi (ambos da Argentina)

URUGUAI: Martín Silva; Maximiliano Pereira, Sebastián Coates, Diego Godín e Gastón Silva; Carlos Sánchez, Matías Vecino, Arévalo Ríos e Cristian Rodríguez; Diego Rolán e Edinson Cavani
Técnico: Óscar Tabárez

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo; Casemiro, Paulinho, Philippe Coutinho, Renato Augusto e Neymar; Roberto Firmino
Técnico: Tite

DESTAQUES