sábado, julho 2, 2022
BNR-728X90-RENOVACAO---SOCIAL
BNR-728X90-RENOVACAO---ILUMINACAO
BNR-728X90-RENOVACAO---PAVIMENTACAO
HomeSELEÇÃO BRASILEIRAEdnaldo Rodrigues explica planos de mandato na CBF: "Queremos a Seleção mais...

Ednaldo Rodrigues explica planos de mandato na CBF: “Queremos a Seleção mais perto do torcedor”

Candidato único na eleição desta quarta-feira, Ednaldo Rodrigues assumirá a presidência da CBF por um período de quatro anos. O baiano de 68 anos assume uma entidade em crise – segundo ele próprio, a imagem que a CBF projeta no mundo hoje é “até repugnante”.

Seu antecessor, Rogério Caboclo, foi afastado por denúncias de assédio sexual e moral contra funcionários. Antes dele, Marco Polo Del Nero, José Maria Marin e Ricardo Teixeira foram banidos da Fifa por denúncias de corrupção.

+ Bastidores de uma CBF em crise: entenda articulação que vai eleger Ednaldo Rodrigues presidente

Hoje interino, Ednaldo Rodrigues será eleito presidente da CBF na quarta-feira — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Hoje interino, Ednaldo Rodrigues será eleito presidente da CBF na quarta-feira — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Contador de formação e ex-presidente da Federação Bahiana de Futebol, Ednaldo enfrentou nas últimas semanas a oposição de Gustavo Feijó, um dos vice-presidentes da CBF, que cogitou tentar a presidência, mas não apresentou candidatura.

Na entrevista a seguir, Ednaldo Rodrigues promete fazer a Seleção jogar mais vezes no Brasil e, pela primeira vez na história, contratar mulheres para a diretoria.

A cadeira de presidente da CBF ejetou vários ocupantes recentes. Quando o senhor assumiu interinamente, em agosto, do ano passado, disse que não queria sentar na cadeira. Como vai ser agora?

– Realmente eu não sentei na cadeira em decorrência de estar interino e saber dar um passo de cada vez. Pessoas poderiam entender que era prepotência, arrogância, desejo. Não foi nada disso. O que nós desejamos é ter um futebol brasileiro forte, que seja respeitado não só dentro de campo, mas principalmente fora de campo, com atitudes. Que a sociedade possa, não só brasileira, mas do mundo inteiro ver o Brasil de outra forma. No momento vê de uma forma triste, até repugnante.

Quando terminar a eleição, qual vai ser sua primeira atitude?

– Unificar a CBF. Temos que respeitar o contraditório, os clubes, as federações. E ter um pacto de combate à violência nos estádios. Queremos que a Fifa esteja presente nessa discussão, queremos a conscientização das organizadas. Não queremos que seja uma coisa passageira.

Da esquerda para a direita: Gustavo Feijó, Ednaldo Rodrigues e Marcus Vicente, dirigentes da CBF — Foto: Thais Magalhães/CBF

Da esquerda para a direita: Gustavo Feijó, Ednaldo Rodrigues e Marcus Vicente, dirigentes da CBF — Foto: Thais Magalhães/CBF

Rogério Caboclo, no discurso de posse, disse que acabaria com os jogos de clubes nas datas Fifa, quando as seleções se reúnem, e não conseguiu cumprir. O senhor tem planos de mexer no calendário?

– Eu não faço nenhuma promessa que eu não possa cumprir. Nós fazemos os conselhos técnicos e os clubes decidem o que é melhor para eles. Também queremos ouvir pessoas que não estão nos clubes, não estão dentro da CBF, e que também têm expertise sobre assuntos de calendário. Essa discussão tem que existir, na CBF e fora da CBF.

A seleção brasileira está distante do torcedor?

– Existe realmente um afastamento muito grande da seleção brasileira para com o torcedor. Isso em grande parte por conta dos jogos (amistosos) no exterior. Tem um contrato que vence agora em 2022. Queremos a Seleção mais perto do torcedor, também dos patrocinadores e da imprensa.

Sua chapa não tem nenhuma vice-presidente mulher. E a CBF não tem nenhuma diretora mulher. O que pretende fazer sobre isso?

– Nós vamos ter também mulheres em nossa diretoria.

O que pretende fazer com a arbitragem?

– A arbitragem é complexa. Nós pretendemos fazer reformas que possam dar resposta ao torcedor, dar resposta aos clubes, às federações, a vocês da imprensa. Houve muita resistência quando nós quisemos divulgar os diálogos do VAR. É impossível zerar os erros de arbitragem, mas o torcedor precisa saber por que os erros aconteceram

Quem vai comandar a arbitragem?

– Não temos o nome ainda.

Tite já falou que vai embora depois da Copa. Pretende convencê-lo a ficar?

– Olha, no momento, o que queremos é atender bem a todas as demandas da seleção brasileira. Nós confiamos plenamente na comissão técnica que é muito bem dirigida pelo Tite. Só vamos falar de outras situações após o Mundial.

Na sua gestão a seleção pode ter um técnico estrangeiro?

– Para não tirar o foco da conquistar do hexacampeonato, gostaria de falar só após o Mundial (risos). Agora só quero dar tranquilidade ao Tite, sua comissão técnica e os atletas.

O que acha de uma liga organizar o Campeonato Brasileiro?

– Na reunião do conselho técnico da Série A, eu, de forma voluntária, coloquei essa situação porque muito se discute há muito tempo sobre a liga. A liga está prevista no estatuto da Fifa, está prevista no estatuto da Conmebol, está prevista no estatuto da CBF. Eu não vejo nenhum problema que possa ter uma liga e, pelo contrário, nós estamos aqui para ser parceiros da liga. E que essa liga também possa não só trazer recursos para clubes da Série A, possa irrigar com recursos todo o ecossistema do futebol.

- Advertisment -
WhatsApp Image 2021-08-18 at 5.26.23 PM
Screenshot_3
549874643216798-4
f54459f1-2954-40f7-b3a6-7858147561ae
IMAGEM

Mais lidas