Jadson, jogador do Corinthians, durante treino no CT Joaquim Grava (Parque Ecológico do Tietê), na Zona Leste da capital paulista.

Jadson finalmente deve fazer sua reestreia pelo Corinthians amanhã (1º), contra o Brusque, de Santa Catarina, pela Copa do Brasil. Depois de uma chata novela, que demorou semanas para terminar com um final feliz para o Timão, o meia e ídolo da torcida assinou e vai vestir a camisa que o fez recuperar o bom futebol, conquistando títulos e expressão nacional depois de anos difíceis no São Paulo.

Sem Rodriguinho para o jogo, o Corinthians precisa de um camisa 10 e de um jogador com as características de Jadson. Ainda que o time tenha surpreendido e feito uma boa campanha no Campeonato Paulista até agora, o torcedor não pode se iludir tanto e pensar que temos time para brigar por competições maiores.

A chegada de Jadson fortalece o leque de opções para um setor que ainda funciona pouco no time de Carille: a criação de jogadas ofensivas, os passes certeiros no meio-campo e a posse de bola no setor.

Além disso, ganhamos uma ótima força na bola parada, seja em cobranças de pênaltis, faltas ou escanteios. A importância de Jadson como atleta e como líder de um time que está em reconstrução é fundamental neste momento.

Carille já começou a mesclar jovens promissores com atletas mais experientes e a mistura está dando certo. Incluiu Guilherme Arana, Léo Jabá e Maycon no time que já tem Pedro Henrique, Marciel e outros jovens da base ou adquiridos pelo clube. Jadson colocará tempero nesta salada como um jogador pronto para suportar a pressão. Já provou que sabe fazer isso como poucos que vestiram a camisa corintiana.

“Estou pronto para 90 minutos. Treinei esses dias para isso. Mas a decisão é dele (Fábio Carille). Se precisar de mim no primeiro ou no segundo tempo, estou aqui para ajudar. Meus companheiros têm feito bons jogos. É fazer o meu trabalho”, disse o meia ao desembarcar em Santa Catarina.

Tivemos sorte de ter conquistado vitórias importantes e não ter sentido tanto a falta dele neste primeiro mês da temporada. A contratação de Jadson foi uma importante arma para animar o torcedor depois de um 2016 difícil.

Jadson chega protegido pela temporada de 2015, embora tenha jogado de verdade a partir do segundo semestre daquele ano. Não é jovem e vai ter que provar o seu valor. Talento tem de sobra. Agora é torcer para que ele corresponda às expectativas depositadas pelos alvinegros com assistências e segurança na bola parada. Contra o Brusque, a primeira oportunidade para impressionar o torcedor.