terça-feira, março 2, 2021

Rafael Bastos projeta futuro como técnico no Segue o BAba: “Quero a sensação de ser campeão pelo Bahia”

Aos 35 anos, o meia do Jacuipense Rafael Bastos pode dizer que viu muito do mundo. Formado nas categorias de base do Bahia, o jogador de 35 anos rodou o Brasil e também jogou em oito países diferentes: Portugal, Japão, Romênia, Arábia Saudita, Bulgária, Kuwait, Tailândia e Índia. Nesse período, foi treinado por Jorge Jesus, jogou a Liga dos Campeões e enfrentou alguns dos maiores craques da atualidade.

Rafael Bastos no Segue o BAba — Foto: ge

Rafael Bastos no Segue o BAba — Foto: ge

– [Jorge Jesus] Sempre foi o melhor treinador, não porque passou agora pelo Flamengo e tem destaque. Sempre falei para os meus amigos que Jorge Jesus foi o melhor treinador que tive em todos os aspectos. O que ele fazia lá naquela época, faz hoje. Assisti ao treino do Flamengo, que era a mesma coisa que eu trabalhava em 2007.

– Joguei contra o Basel do [Mohamed] Salah. Nem sabia quem era. Quando surgiu, eu me perguntei: “Eu joguei contra esse cara aí”. Hoje, olha quem é. Tenho camisa do Toni Kross também. Ele era menino ainda, estava subindo – lembra.

Mas, antes das andanças pelo mundo, viveu tempos difíceis no Bahia. Jogou Série C do Campeonato Brasileiro, conviveu com salários atrasados… Mas foi nesse cenário que criou identificação com o clube.

– E depois de muitos anos, o carinho do torcedor do Bahia, mesmo sem ter ganhado um título, não deixei o meu nome gravado na história do Bahia. Fui cria da base, não tenho uma história. E a torcida tem um carinho por mim, que foi crescendo. Tem uma frase que o Flávio disse agora e aconteceu comigo que é que “eu não nasci Bahia, mas me tornei Bahia”.

Rafael Bastos nos tempos de Bahia — Foto: Reprodução

Rafael Bastos nos tempos de Bahia — Foto: Reprodução

Entrevistado do Segue o Baba desta sexta, o meia não só lembrou histórias da carreira, mas também falou sobre futuro no Jacuipense e sonho de retornar ao Bahia como treinador.

– Eu me sinto bem. Eu tenho sonho de ser treinador. A minha vontade hoje é subir a Jacuipense. Se subisse para a Série B, era jogar a Série B e parar e começar a estudar. Um dia vou ser treinador. Quero conquistar um título, ter essa sensação de ser campeão pelo Bahia – contou.

O papo completo vai estar disponível no ge e também em todas as plataformas disponíveis de podcast às 10h (horário de Brasília) desta sexta-feira. Para ouvir, basta acessar aqui.

- Advertisment -

Mais lidas

“Gabigol facts”: confira números e marcas alcançadas pelo “Príncipe” multicampeão do Flamengo

Que Zico é o Rei do Flamengo, poucos duvidam. Agora, o clube tem também seu Príncipe, Gabigol. Depois de mais um título,...

Lucas Fonseca avalia 2020 atípico, elogia Dado e projeta 2021: “Buscar evolução constantemente”

O elenco principal do Bahia se reapresenta nesta terça-feira após um breve período de folga. Entre as peças que voltarão a treinar no CT...

Athletico falha em estratégia e erra demais na estreia, mas tem (muito) potencial para reagir

O Athletico deixou um buraco no meio-campo, errou demais e sofreu uma justa derrota por 1 a 0 para o Cianorte. Edu, Denner, Matheus...

Após despedida no Atlético-GO, Gilvan prepara assinatura e viagem rumo ao Botafogo

Com o título do Campeonato Goiano na bagagem, o zagueiro Gilvan é esperado nesta semana no Rio de Janeiro para finalizar a...